Nascer do sol

Nascer do sol
Não basta admirar e exaltar a grandeza da natureza. É preciso cuidar para que ela permaneça bela e possa ser também apreciada pelas gerações futuras.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016


                    NATAL X PAPAI NOEL

Quando eu era pequenina, pouco do mundo conhecia,
Morava em meu Ventura e ansiosa esperava o dia
De viajar para a cidade, onde tanta novidade havia.
Muitos carros, tanta gente, cinema, televisão,
Parecia outro mundo e apesar da confusão
Eu ficava animada,  bem alegre e contente.
Em meu pequeno vale, muita coisa tinha não
Mas tinha coisas bonitas aos olhos e ao coração
Um rio e um pequeno riacho banhavam aquele chão
Mato verde e nos morros o alvo manto da cerração.
Quando chegava o Natal tudo ganhava mais cor
O sol brilhava mais forte, a lua mostrava imponência,
Estrelas brilhavam no céu celebrando o amor do Pai
Que Jesus nos enviou, para mostrar a verdade
Um exemplo de humildade, numa manjedoura deixou.
Lá em casa a minha mãe, um rústico presépio montava.
Talvez fosse o mais verdadeiro, nada nele era comprado
Areia, pedras e folhagens, tudo pela natureza doado.
A cada ano relembrávamos, o Divino significado.
E a árvore de Natal então que me encantara num cartão?
Enfeitava um galho seco que cobria com algodão,
Com flores de papel de seda, algumas de papel crepom
E na minha doce inocência, esperava com paciência
O momento especial, que Papai Noel passasse
No meu quarto e deixasse, o meu presente de Natal.
Não era um presente caro, mas tinha muito valor,
Nessa hora é que entrava, a criatividade, o amor.
Qualquer coisa era bem vinda, havia a conscientização.
Eram muitas crianças, muitos sonhos a realizar
Por isso Noel poderia naquela noite não passar.
Assim eu me conformava, de nenhum presente ganhar
E o Sonho do Natal continuei a cultivar.
Quando ainda com dez anos minha mãe pra Deus voltou.
Acabaram-se os sonhos e em lugar das alegrias,
Só o vazio,  a saudade e a tristeza restou
Mas Deus em sua bondade, nunca me abandonou.
Voltei a sonhar com o Natal sem as estrelas de Ventura
Mas com o brilho da ternura que vi nos olhos do meu filho.
Ensinei-o a vigiar, orar e também compartilhar
Que o imenso legado de Jesus, não termina numa cruz.
Papai Noel não existe, coelho-da-páscoa, nem fada,
Mas no dia que a fantasia deixar de ser cultivada
Morrerão também os sonhos, nos entregaremos ao nada.
Não precisa ter dinheiro para se dar uma lembrança
Quando se tem o amor e em Deus a confiança,
Uma florzinha do campo, na janelinha deixada
É motivo de louvor, de alegria e esperança.

FELIZ NATAL!!!!!!
Fátima Almeida
23/12/16



















sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O Eterno Adolescente


O eterno adolescente!

Sujeitinho impulsivo, rebelde e metido a independente igual a ele, eu desconheço. Só faz o que dá na telha, não dá a mínima atenção para conselhos. Por mais que você lute contra um sentimento, só ele decide o final. O danado insiste em ver coisas que os olhos, aqueles que a terra ou o fogo haverão de comer, nunca poderiam ver. De nada adianta lutar contra ele. Teimoso como uma mula, escolhe gostos e desgostos, recusa-se a seguir regras, padrões. Nega a razão e dá razão a negações quando bem lhe convém. Desafia e derruba qualquer argumento que não seja favorável ao seu “querer”. Adora correr riscos. Faz sofrer qualquer um que caia nas suas garras, nas suas graças ou nas suas teias. Ignora tempo e espaço, cor, raça, credo e toda e qualquer coisa que vá de encontro aos seus desejos e anseios, mas em sua impetuosidade esquece que é apenas a peça mais frágil de uma máquina que apesar de depender do seu vigor para funcionar, regra geral, faz pouco caso dos registros por ele impostos.
Finalmente, mesmo a revelia, atrevo-me a dar uma sugestão:
Ah! coração, vê se amadurece!


Fátima Almeida
10/05/2016




segunda-feira, 12 de setembro de 2016

TATUAGENS DO TEMPO, TATUAGENS NO CORAÇÃO




Meus amigos, apresento a vocês o meu novo trabalho:




Assim como METAMORFOSE EM VERSO E PROSA, este também foi publicado no Clube de Autores e encontra-se disponível no link:

http://www.clubedeautores.com.br/book/217371--TATUAGENS_DO_TEMPO#.V9a31PkrJD8

Agradeço a visita!

quinta-feira, 26 de maio de 2016


O eterno adolescente!

Sujeitinho impulsivo, rebelde e metido a independente igual a ele, eu desconheço. Só faz o que dá na telha, não dá a mínima atenção para conselhos. Por mais que você lute contra um sentimento, só ele decide o final. O danado insiste em ver coisas que os olhos, aqueles que a terra ou o fogo haverão de comer, nunca poderiam ver. De nada adianta lutar contra ele. Teimoso como uma mula, escolhe gostos e desgostos, recusa-se a seguir regras, padrões. Nega a razão e dá razão a negações quando bem lhe convém. Desafia e derruba qualquer argumento que não seja favorável ao seu “querer”. Adora correr riscos. Faz sofrer qualquer um que caia nas suas garras, nas suas graças ou nas suas teias. Ignora tempo e espaço, cor, raça, credo e toda e qualquer coisa que vá de encontro aos seus desejos e anseios, mas em sua impetuosidade esquece que é apenas a peça mais frágil de uma máquina que apesar de depender do seu vigor para funcionar, regra geral, faz pouco caso dos registros por ele impostos.
Finalmente, mesmo a revelia, atrevo-me a dar uma sugestão:
Ah! coração, vê se amadurece!


Fátima Almeida
10/05/2016



quarta-feira, 27 de abril de 2016


                                                   Pássaro Ferido

                                  Qual pássaro na gaiola encarcerado
                                  Asas atadas, sonhos e  ilusões perdidas
                                  A debater-se meu eu desesperado
                                  Jaz desolado em grades retorcidas

                                  Na ânsia de voar, sentir-se libertado
                                  Exangue, esquece as dores das feridas
                                  Tentando evadir-se já tão baqueado
                                  Restando-lhe a esperança de outras vidas.

                                  Mas apesar de tudo, o pássaro canta
                                  Chora uma poesia de tristeza tanta,
                                  Que sangra-lhe o peito ao lembrar a desdita

                                  Não te agastes assim pássaro ferido
                                  Teu lamento será por Deus ouvido
                                  E Ele então libertará a tua alma aflita.   

                                                Fátima Almeida
                                                    11/02/16

terça-feira, 5 de janeiro de 2016


RENASCENDO...


Linda crisálida... Tão inocente...
Arrasta-se pelo jardim livremente
Mal sabe ela que de repente...
Será uma borboleta imponente!

Linda borboleta passeia livremente
Pelo jardim florido...  Tão inocente
Mal sabe ela que de repente...
Será uma crisálida imponente!

Fátima Almeida

Set/2010